Páginas

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

O ano das relações superficiais

Post desabafo pode sim!



Pouco tempo atrás, uma amiga minha disse que 2015 está sendo o ano das relações superficiais. Eu não sei exatamente os motivos dela, mas eu não pude deixar de concordar. Me pergunto se tem algo acontecendo com o mundo ou se é algo comigo e com algumas pessoas ao meu redor, mas realmente parece que nada vai pra frente. Não quero ser aquela tia chata que fica dizendo que as pessoas se conectam demais através de telas e pouco na vida real, porque não é exatamente isso que eu sinto, mas devo admitir que toda essa instantaneidade tem atrapalhado bastante as relações interpessoais.

E como poderia ser diferente? É tão mais fácil falar com aquela pessoa através de mensagens instantâneas do que realmente olhar nos olhos dela pra dizer alguma coisa. Tão mais fácil mandar links de playlists e receber uma resposta imediata do que gravar uma fita (ou um cd, vai), embrulhar em um papel bonitinho personalizado e dar para a pessoa, sabendo que ela só vai poder comentar sobre dias depois...

Eu não julgo pessoas que fazem isso, até porque eu sou exatamente assim - been there, done that -, mas sinto que as coisas vem perdendo o sentido de uns tempos pra cá. A mesma playlist que eu fiz pra fulano, posso mandar pra ciclano e no fim o sentimento por trás daquele ato se perde num mar de compartilhamentos, e nada mais é exclusivo.

E nós não temos mais nos dado o tempo de conhecer uma pessoa a fundo antes de passar para a próxima. Só queremos mais contatos pra matar a solidão, sem nos darmos conta de que o que realmente acaba com ela não é a quantidade de pessoas com quem conversamos, mas sim a conexão que temos com elas. E nós não temos mais nos dado o tempo de criar essa conexão, porque no passado alguma coisa parecida já causou uma dor pela qual não queremos passar novamente. E nós só queremos relações descartáveis, porque se nada dá certo, é fácil procurar outras. Mas nenhum de nós quer ser descartado.

Talvez eu só esteja pensando demais nisso, talvez alguém concorde comigo, mas no fim eu só tenho saudade da época em que conhecer uma pessoa nova era mais tranquilo. Cada nova pessoa que eu conhecia parecia uma pessoa nova no universo, que não tinha um passado significativo, e eu me sentia confortável pra me aproximar dela. Hoje em dia parece que todo mundo tem histórias tão complexas que não existe um espaço pra mim na vida delas, e quem sabe nem elas tem espaço na minha. Mas aí a gente fica assim, nessa de se conhecer, compartilhar algumas coisas e continuar sendo estranhos sem qualquer intimidade.

E as relações continuam superficiais, e a gente continua se sentindo sozinho.

10 comentários

  1. Talvez eu tenha viajado um pouco aqui, mas acho que as relações atuais são muito efêmeras. É a sensação que me dá, pelo menos. É difícil conseguir manter amigos por perto quando aquela velha ladainha entra na rotina: "vamos marcar alguma coisa qualquer dia desses", e fica por isso mesmo. Sei lá se é o 2015 que resolveu ser incrivelmente bizarro pra todo mundo ou se tem algum planeta em uma posição em que não deveria estar no cosmo, mas sinto que está tudo muito fora de ordem.

    E, nossa, THIS, THIS, absolutamente: "só queremos mais contatos pra matar a solidão, sem nos darmos conta de que o que realmente acaba com ela não é a quantidade de pessoas com quem conversamos, mas sim a conexão que temos com elas." Não sei até que ponto eu faço isso, sempre tive na minha cabeça que eu era muito bem resolvida pra me sentir sozinha (olha o tipo), mas às vezes fico pensando nas relações que desenvolvi com as pessoas e tento colocar tudo numa balança. Chega um momento em que não vale mais a pena correr atrás.

    (feliz que você voltou, desabafe sempre! ♥)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode viajar a vontade, gosto bastante de fazer as pessoas pensarem e chegarem e conclusões "nada a ver", HAHA.

      É complicado essa coisa de marcar alguma coisa, porque muitas vezes são pessoas que nunca foram próximas e todos nós temos prioridades - aqueles que são mais próximos. Mas mesmo assim, parece que tem sido assim até com as pessoas com quem temos uma conexão maior mesmo, parece que vem se perdendo, não entendo. Só espero que as coisas melhorem em 2016, e nos próximos anos num geral, porque ninguém merece essa solidão acompanhada que o mundo tá passando.

      Ser bem resolvida sozinha é tudo de bom, eu tenho fases assim de vez em quando, mas até as pessoas mais introspectivas precisam de demonstrações de afeto das pessoas que elas gostam, né? No fim, não dá pra escapar da vida social, HAHA.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Não é feio, não. Fico bem feliz de saber que tem gente que pensa a mesma coisa, haha! :3

      Excluir
  3. Rosa! Aquarela! Amei muito? AMEI! ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tô totalmente fora da minha zona de conforto, mas no fim gostei do resultado, então vai ficar assim até que eu enjoe (o que pode ou não levar um tempo, vejamos).

      Excluir
  4. eu concordo. e que texto lindo. a gente vai se atando nas teias complexas que construímos, numa solidão que não cabe mais ninguém, assim como todo mundo. as cartas à mão são perdas de tempo hoje em dia, e gravar cds para os amigos parece bobo, já que ninguém mais gosta de cds hoje em dia, quando se pode ter tudo na palma da mão. o imediatismo está tirando a graça das conexões offline. um sorriso e uma conversa olho no olho está cada vez mais difícil de se manter por algumas horas, afinal, o celular está vibrando e alguém precisa responder essa mensagem.
    belas palavras, você escreve muito bem.

    Café de beira de estrada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatemente! Eu tenho até sorte que meus amigos mais próximos gostam de curtir o momento sem ficar olhando muito no celular, só pra ver as horas e encontrar alguma pessoa que se perdeu no caminho etc., hahaha. Mas eu sei que tem muita gente que sai pra tomar um café com os amigos e fica cada um olhando pra sua tela, é triste isso. Enfim, quem sou eu pra julgar né, as pessoas se relacionam como elas quiserem... Eu só queria que existissem mais pessoas no mundo que fossem compatíveis comigo nesse quesito, eu acho.

      Obrigada pelos elogios, fico muito feliz que gostou. :3

      Excluir
  5. Nossa, apenas sim. Eu não sei se o problema é comigo, mas esse ano estou me sentindo muito estagnada. Não progrido nem na minha vida acadêmica, e muito menos na minha vida pessoal. Por mais que eu converse com as pessoas, não me sinto conectada a elas. Aliás, eu não sabia como definir isso até ler seu post. Sabe,agora com as redes sociais é fácil a gente interagir com várias pessoas e até chamar a atenção delas, mas pra criar um vínculo não é suficiente. Tenho pensado bastante em escrever cartas, trabalhar com as mãos e dedicar um pouco do meu tempo pra quem eu me importo e eu sinto que se importa comigo de volta, mas por onde começar? O que a gente faz pra primeiro parar de se sentir sozinha? Questões.

    Adorei esse layout rosinha. Adorava os dos gatos também, mas esse tá chuchu com essa aquarela no topo. Quem dera se eu tivesse a sua disposição para trocar o layout!

    Beijinhos. :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é só contigo; se você acredita em astrologia, pode ver que esse ano realmente tem muita estagnação em vários sentidos, HAHA. Enfim, eu também ando bem parada esse ano, principalmente agora nessa reta final, mas fazer o quê né, vou driblando o desânimo da maneira que eu posso...

      Eu trocaria mil pessoas numa rede social por poucas que significassem muito, sabe. Sinto saudade de passar um dia inteiro conversando com uma só pessoa sem me sentir solitária. Agora é tipo conversar com várias e continuar sentindo esse vazio chato aqui dentro... Não é legal.

      Esse layout tá totalmente fora da minha zona de conforto, HAHA. Amo rosa, mas não me atrevo a usar em layouts, nas roupas etc., mas no fim resolvi deixar assim mesmo e ver se sossego o facho HAHA

      Excluir